segunda-feira, 25 de julho de 2011

PILULAS IV





[...] -> porque nada surge do nada...
Meu peito tenta mais uma vez se expandir e se alimentar em vão do vazio completo da solidão... Que tédio... Esse fardo é esse que carrego não nas costas... Para que? Para verem meus ombros curvados e cansados? Não... Prefiro esconder entre palavras e ações que na verdade não são...
Me apropriei dos meus personagens, ou eles se apropriaram de mim, como uma doença incurável de um médico...um infinito...um copo quebrado...ou a vez de se enterrar um velho coveiro...
[...] -> porque tudo, não quer dizer nada!...
31/10/2010
[...] -> porque nada surge do nada...
MEU EU SÓ, SOLITARIO, LITERÁRIO
Em tudo neles me encontro! Sou como eles também, me gastando com a luz do sol e a nostalgia com a luz da lua.
 [...] -> porque tudo, não quer dizer nada!...