segunda-feira, 25 de julho de 2011

IDEAL DE UMA (DOENÇA) DE AMORIDÉIAS

Meu ideal seria escrever o que ainda não foi escrito, dizer o que não foi dito, entreter aos que estão aflito. Uau!!!
Escrever (as vezes/em vez) na metalinguagem, só de sacanagem, passando uma imagem complexa que não sou ou serei se usá-la,...
Poderia dizer do mar, apesar de vê-lo pouquíssimas vezes, mas já disseram.
Poderia falar do amor, mas de tantas e tantas definições que insistem em tentar o explicar, não quero ser o mais um em vão em explicá-lo.
E a palavra, ahhh essa tal palavra! que não ouso dizer..., não me inspirou e não me inspira mais.
Meu ideal seria escrever para que todos ouvissem as coisas que não preciso falar, mas me sinto a pessoa mais “feliz do mundo” quando o vejo /apenas um silencio, sorrindo pra mim ao ouvi-las ...como é bom...
A forma como iria escrever irei resolver depois. Apenas anseio qualidade virar quantidade e não o contrario idealizando escrever com ótimas palavras, como aquelas emocionam tanto e que idealizo muito escrever.
Ideal nem sempre é conjunto de idéias.


01/02/2010